ÚLTIMAS NOTÍCIAS /

Saúde alerta para risco de epidemia de dengue em Pérola

Segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Visualizada 341 vezes


A secretaria de Saúde realizou na ultima semana um levantamento sobre o índice de infestação do mosquito da dengue em Pérola. Os resultados do levantamento colocou toda a equipe de agentes de endemia e da secretaria de saúde em alerta geral. 


A cidade de Pérola corre o risco de entrar numa epidemia de dengue.  Os resultados apontaram o índice de 8,9% de infestação do mosquito, considerado pela ANVISA um índice de alto risco bastando apenas que uma pessoa infectada seja o fator gerador de uma epidemia na cidade. 


“A informação deve ser recebida com toda cautela. As condições climáticas atuais favorecem o desenvolvimento do mosquito. Se não forem tomados os cuidados necessários e eliminarmos os criadouros precocemente, poderemos colocar a saúde de todos em risco. E essa luta contra o mosquito é de todos nós: poder público e comunidade em geral” ressaltou a Secretária de Saúde Rosângela Guandalin.


Para que situações mais graves sejam evitadas, a prevenção é a palavra de ordem. Se os criadouros forem eliminados haverá uma queda também da circulação do mosquito e conseqüentemente a queda da possibilidade de surgirem situações mais graves. 


Pelo que foi constatado no levantamento realizado, cerca de 80% dos criadouros se encontram nas residências e em alguns casos, o acesso dos agentes de endemias ao local só seria possível com a presença do proprietário reduzindo assim a eficácia do trabalho de combate aos locais com criadouros do mosquito.


O mosquito se reproduz rapidamente em qualquer local com muita ou pouca quantidade de água, suja ou limpa e transmite além da dengue, os vírus da zika e chikungunya.


“A prevenção da dengue vai muito além dos vasinhos. Não basta somente limpar os pratos dos vasos de plantas! Todo objeto que acumule água é um criadouro em potencial. As pessoas têm o hábito de descartar recipientes abertos que podem se tornar novos criadouros do mosquito. Até mesmo uma tampinha de garrafa ou um copinho de café com água é suficiente para que o mosquito se reproduza. A população precisa unir forças com o poder público e juntos tomar os cuidados necessários para que os possíveis criadouros sejam eliminados” finalizou Rosangela.


A limpeza do quintal e a vistoria de recipientes com água, cubas, vasos, baldes, bandeja de geladeiras, lajes, calhas e bebedouros de animais deve ser realizada semanalmente principalmente nessa época do ano que há o registro de períodos de muitas chuvas.


A secretaria de saúde e a vigilância sanitária estão intensificando os trabalhos para que o risco de uma epidemia seja completamente eliminado.

Fonte: Assessoria de Imprensa

 Galeria de Fotos

 Outras Notícias

HORÁRIO DE ATENDIMENTO: Segunda à Sexta-feita: Segunda a Sexta das 08:30 às 11:30 - 13:00 às 17:00